Desenvolvimento de integração com JD Edwards requer a ferramenta correta para o trabalho

Glenn Johnson – Senior Vice President – Magic Software Americas

Imagine que a você tenha sido atribuída a tarefa de gerenciar o desenvolvimento de uma interface JD Edwards para a sua empresa, e agora? Você chama a Oracle, um integrador de sistemas, ou faz você mesmo?

Desenvolver interfaces JD Edwards exige consciência dos padrões de integração disponíveis para a versão do JDE e versões das ferramentas a serem integradas. A versão utilizada suporta objetos de negócios? Os processos necessários estão disponíveis? Quais módulos precisam ser interligados?

Vamos assumir por um momento que você tem uma versão antiga do JD Edwards World, sem suporte para objetos de negócios (vamos chegar ao outro caso mais tarde). Você tem opções além de escrever programas de RPG? Sim. Com o iBOLT Special Edition para JD Edwards (JDE Connect) você pode desencadear e orquestrar processos de negócios que abrangem aplicações, sistemas, pessoas e websites utilizando para a integração, uma abordagem arrastar e soltar, e configurar. Em outras palavras, um analista de negócios ou arquiteto pode executar o trabalho, sem recorrer à programação do código linha por linha. Quando os objetos de negócios são uma parte dos objetivos da integração, então o iBOLT pode fazer interface diretamente para as funções de negócios do Enterprise One (E1), por exemplo, independente de que módulo ou módulos são o alvo.

O primeiro passo é definir a sua topologia para fins de referência e para se certificar que você está usando uma convenção de nomenclatura padrão de notação. O segundo passo é mapear em alto nível o processo de negócio desejado. Chegar ao ponto em que você está pronto para mapear o processo de negócio é uma das maiores fases do seu projeto. Esta é a fase de coleta de requisitos, onde ocorre a análise de negócios em grande parte fora do sistema de integração. Uma boa sessão de “quadro branco” com uma ampla oferta de post-it para notas pode ser uma forma eficaz para descrever o que é e como é o processo de negócios desejado. Exceto que, quando você começa a documentar visualmente esses fluxos de negócios, você pode agora começar a gravá-los digitalmente no Business Process iBOLT Editor.

Tenha em mente que você está procurando identificar os eventos que disparam os fluxos de processos de negócios. Que eventos devem ser utilizados para disparar eventos? Atividade de banco de dados, e-mails pré-formatados, serviços web, exame de diretório para arquivos novos ou modificados, etc? Tenha em mente que um fluxo de negócios pode ter vários gatilhos, incluindo a realização ou uma saída lógica a partir de um fluxo diferente.

Cada fluxo normalmente deve conter as condições de execução, ações permanentes, verificação da validade, condições para a ação, saídas de fluxos de exceções e gerenciamento de status. O iBOLT Special Edition para JD Edwards irá permitir-lhe gerenciar tudo isso a um nível elevado para que o foco esteja na lógica do negócio. Não há programação envolvida. Isto é possível devido ao fato do iBOLT possuir uma biblioteca de componentes pré-construídos que são totalmente configuráveis por um analista de negócios usando uma interface gráfica (Windows). Os componentes disponíveis incluem não apenas os adaptadores para aplicação JD Edwards, mas também incluem uma robusta biblioteca de adaptadores sem a necessidade de investimentos extras. A biblioteca de componentes do iBOLT inclui componentes para .NET, Call COM, COM, Directory Scanner, Domino, uniPaaS (eDeveloper), EJB, e-mail, Encryption, File Archive, File Management, File Splitter, FTP, HL7, HTTP, iBOLT Portal, iSeries Connector, ItemField Connector, Java Component, JD Edwards Connector, JMS, Microsoft Excel, Microsoft Word, MSMQ, Notes DB Connector, Salesforce Connector, SAP Business One, SAP R/3, UPS, W4, Web Services, WebSphere MQ, XSLT e outros. E claro,  trabalha com todos os tipos de bancos de dados e possui uma extensa biblioteca de métodos e wizards, incluindo um poderoso data mapper.

Tenha em mente que o iBOLT Monitor irá monitorar a execução de seus fluxos. Você pode utilizar esta monitoração do status do fluxo para executar outros fluxos e alertas. Os processos estão falhando devido à falta de conectividade? Inicie um fluxo de recuperação. Os volumes de transação estão anormalmente altos ou baixos? Envie um alerta para um usuário-chave ou administrador do sistema.

Com um bom projeto dos fluxos de integração desenhado, a Interface JD Edwards que você desenvolveu está pronta para ser testada. O teste pelo analista de negócios é possível usando o modo de emulação do iBOLT. Depois que você está satisfeito com os testes pelo departamento de TI, fazer testes de aceitação com o usuário é vital. Será que os processos de negócios recém-orquestrados cumprem as metas e objetivos definidos durante a fase de coleta de requisitos de negócio e sua sessão de brainstorm?

Os fundamentos das melhores práticas não mudam muito de um projeto de TI para o outro. Mas as ferramentas disponíveis para integração e desenvolvimento de interface do JD Edwards podem fazer toda a diferença. Independente de saber se você decide entrar em contato com um integrador de sistemas ou fazer você mesmo, os usuários de JD Edwards usuários são aconselhados a investigar o iBOLT Special Edition para JD Edwards. A integração de JDE não tem que envolver um arriscado projeto de programação.

Acesse o Integrate JD Edwards With SharePoint White Paper aqui.

Novo Comentário