Desenvolver RIA “de ponta a ponta” pode poupar tempo e dinheiro

David Akka- CEO – Magic UK

David Akka
David Akka

Com a revolução da Internet, TI agora quase retornou aos dias do Terminal ‘Burro’ , onde todas as principais tarefas da computação ocorre no servidor – e onde o ‘Thin’ Client tem esse nome pelo fato de que ele funciona basicamente como uma janela. Mas, enquanto os custos de operação do ‘Thin’ Client permanecerem convenientemente baixos, a realidade é que ele está limitado em suas capacidades, sem a riqueza que os usuários esperam da aplicações “Fat” Client/Server ou desktop.

Aplicações Ricas de Internet (RIA) proporcionam o melhor dos dois mundos, oferecendo aplicações empresariais totalmente interativas (desktop-style) que são instaladas em um único local (o Server), e são acessíveis a partir de qualquer portal através da Internet (o Client).

No entanto, os benefícios obtidos da combinação de menor custo de propriedade com uma melhor experiência do usuário, veem com um preço: complexidade do sistema.

Então, como podem ser populares hoje as tecnologias que atualmente entregam RIA? Vejamos duas razões. Primeiro, há a popular rota Plataform-as-a-Service (PAAS). Isto está personificado por soluções como Force.com, onde todo o pacote RIA está disponível por uma assinatura.

Depois há plataformas de desenvolvimento do lado Client, como o Adobe Flex ou Microsoft Silverlight, onde você constrói a interface rica do usuário com sua própria equipe de desenvolvimento. Mas, estas duas opções têm os seus inconvenientes. Embora o ‘Cloud’ permita que as organizações reduzam custos ao “consumir” apenas o software que necessitam, a realidade é que você efetivamente terceiriza seus dados de missão-crítica para uma empresa externa. E em tempos de incerteza econômica, quando mesmo os mais bem sucedidos fornecedores podem desaparecer do dia para a noite, você pode não estar muito entusiasmado para acordar amanhã de manhã e encontrar suas planilhas, informações de clientes e apresentações de vendas subitamente indisponíveis, ou pior, desaparecidas.

E sobre as plataformas do lado Client do tipo faça-você-mesmo? Fora o exagero, essas ferramentas realmente representam apenas a ponta do iceberg do desenvolvimento RIA. Sob o aspecto do lado Client, o desenvolvimento é um processo muito complexo que envolve uma combinação de partes móveis, incluindo tanto a camada Server (responsável pela lógica de negócio, dados e integração back-end), quanto à camada da Sessão (a camada de comunicação entre o Client e o Server que requer habilidades de programação de sistemas).

A tentativa de combinar o conforto de uma conexão Cliente-Servidor ‘firmemente-acoplada’ com uma experiência do usuário altamente interativa de um estilo web “fracamente-acoplado” não é tarefa fácil. Isso exige o desenho de sistemas sofisticados e habilidades de programação, que levam a custos altos do desenvolvimento RIA.

Devemos também considerar que a internet banda larga é atualmente insuficiente para rodar aplicações bem-acopladas que apresentam dezenas de campos interativos por tela. Para compensar, RIAs devem suportar mais lógica no Client e devem particionar o processamento entre Server e Client.

Novamente, mais custos.
Uma forma de sair do impasse pode estar na nova geração de aplicações RIA “de ponta-a-ponta” .

Uma dessas plataformas é o uniPaaS da Magic Software, que pode ser utilizado tanto localmente ou como uma Plataforma-as-a-Service (PAAS) hospedada, proporcionando a escolha “de estar, ou não estar” nas nuvens. Mas, mais do que isso, o uniPaaS fornece todas as partes da solução – incluindo a parte escondida do ‘iceberg’ – sem exigir desenvolvimento adicional e caro. Assim, “de ponta a ponta”.

Utilizando metadados, ao invés de código pesado, o uniPaaS deixa o designer livre para descrever a lógica de negócios da aplicação e aperfeiçoar a interface do usuário, enquanto a plataforma, em seguida, toma conta do resto, semelhante às capacidades do PAAS hospedado – mas sem a limitada implantação da Nuvem. As aplicações uniPaaS também são acessíveis independente do navegador, então os desenvolvedores não precisam reescrever seu código especificamente para apoiar a crescente multidão de tipos de browser de hoje.

Com uma plataforma de aplicações completa e orientada a metadados, navegar no desafio Enterprise RIA nunca foi tão fácil e as recompensas nunca fizeram tanto sentido: uma experiência do usuário mais rica superando as aplicações Cliente-Servidor, mais o incrível fato que é disponibilizá-las em uma conexão http – um cenário ganha-ganha para Empresas, ISV’s e os seus clientes!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.