Derrubando 10 mitos da integração de aplicações empresariais – Parte 1 de 2

Converso com muitas pessoas sobre integração de aplicações empresariais e concluí que existem diversos mitos amplamente difundidos que impedem as pessoas de realmente compreender os benefícios que a integração pode trazer para suas organizações. Veja abaixo algumas daquelas que eu acredito serem as mais importantes e a verdade por trás de cada uma.

Dividiremos em 2 artigos com 5 mitos cada. Confira o último na próxima semana.

1) Todos os produtos de integração de aplicações são iguais.

Magic SoftwareExistem dois principais tipos de ferramenta de integração: de um lado, você tem ferramentas de sincronização/upload de dados; e de outro, está a integração baseada em processos. Essa não é uma escolha apenas entre os padrões de integração, mas entre comportamentos, especialmente se uma determinada ferramenta funciona como uma ligação entre A e B, ou como uma orquestração plena de dados.

Isso não quer dizer que um tipo de ferramenta é necessariamente melhor para você, uma vez que o comportamento que você precisa depende de suas necessidades: se você busca ETL ou sincronização de dados, então, uma ferramenta de sincronização de dados é ideal; agora, se você deseja integrar fluxos de trabalho ou processos, então, você precisa de uma ferramenta de integração baseada em processos.

Nem todas as ferramentas são iguais: certificar-se de que você compreende totalmente o que necessita hoje e o que poderá precisar amanhã irá ajudá-lo a escolher a ferramenta correta.

2) Utilizamos soluções baseadas em nuvem, então precisamos de uma produto de integração baseada em nuvem

Essa é uma crença muito difundida, mas as ferramentas de integração modernas podem se conectar com qualquer fonte de dados, independente dela estar baseada em nuvem ou instalada nas dependências da empresa. Basicamente, essa é uma decisão que deve se resumir a considerar uma decisão no cálculo do custo total de propriedade (TCO) para o desempenho de uma solução hospedada, além do controle e da flexibilidade oferecidos pelo sistema independente de onde ele reside.

Mais importante do que se uma ferramenta está baseada em nuvem, considere o quanto o sistema tornaria os seus sistemas de TI escalonáveis e tolerantes a falhas: tecnologias como grades de dados em memória (IMDGs) são capazes de garantir a entrega de mensagens e recuperar-se de erros sem perda de dados, além de aumentar enormemente a velocidade dos jobs batch. Você precisa decidir por si mesmo que importância daria a essa resistência e paz de espírito em suas considerações de TCO, mas, resumindo, o importante é se concentrar na funcionalidade, e não na localização.

3) Eu não preciso de uma ferramenta de integração de terceiros porque meu fornecedor de sistemas forneceu uma

Muitos fornecedores de sistemas fornecem ferramentas de integração que variam em termos de como e quão bem operam. Apesar de ser inteiramente possível que essa ferramenta seja adequada às suas necessidades, sempre há a possibilidade de que uma ferramenta do fornecedor seja otimizada somente para a tecnologia que ele oferece.

As ferramentas de terceiros também são otimizadas para lidar com as tecnologias oferecidas pelo fornecedor (especialmente aquelas com conectores e recursos certificados pelo fornecedor), mas, além disso, são otimizadas para realizar a integração entre as tecnologias ofertadas, o que naturalmente não é uma questão relevante para o fornecedor. Se você está pensando em integrar tecnologias de vários fornecedores ou deseja manter suas opções abertas para o futuro, vale à pena avaliar ferramentas independentes de fornecedor, pois elas oferecerão recursos da melhor qualidade prontos para instalar.

4) Tudo está se tornando móvel e isso permite aos meus usuários trabalharem sem integração

MobilesA integração não é apenas se conectar a uma fonte de dados, mas criar um fluxo de trabalho que possa se deslocar de forma transparente por todo seu ambiente de TI, com governança total e um único gateway para segurança. Na verdade, a migração para o móvel está tornando a integração mais importante e não, menos, porque, nos dispositivos móveis, os usuários têm um tempo de atenção mais curto e menos vontade de lidar com um ambiente complexo de várias telas e sistemas.

Um fluxo de trabalho bem integrado pode orientar o usuário, por exemplo, por todo o processo de vendas, da geração da venda à assinatura do contrato, através de várias telas objetivas e simples, minimizando a entrada de dados.

5) Muitos projetos de integração fracassam, não vale a pena o risco

É verdade que muitos projetos de integração fracassam, mas isso é mais frequentemente um desafio de gerenciamento, do que uma questão técnica. Não estou dizendo que seja má gerência; pelo contrário, o problema é que um projeto de integração representa uma mudança importante e isso sempre gera resistência. A boa notícia é que é possível aumentar drasticamente as chances de seu projeto ser bem sucedido e ser valorizado mesmo antes da conclusão de todas as etapas. Veja como:

  • Primeiramente, a adesão da alta administração é vital para proporcionar uma visão estratégica e garantir que os recursos corretos sejam dedicados ao projeto: apesar de muitos projetos serem táticos, eles afetam tantas áreas que a mudança deve ser resultante de uma estratégia geral;
  • Tendo o poder de desestabilizar o projeto, a equipe de TI deve ser vista como mais do que simplesmente os executores: a administração necessita sua opinião e eles devem ser incluídos nos projetos desde o início e ser bem informado como um importante parceiro;
  • O uso de unidades vencedoras de negócios afetadas internamente ajuda a vender o projeto para os usuários, sendo capaz de articular os benefícios para seus colegas, além de (através do patrocínio administrativo) atuar como um canal de retorno para a administração com relação a problemas;
  • Evite culpar a cultura por encorajar uma visão estratégica e atitudes de franqueza, cooperação e resolução de problemas por toda a administração e departamentos envolvidos no projeto;
  • Concentre-se nos processos para entender o que os usuários estão realmente tentando obter quando acessam os dados;
  • Adote uma filosofia de mudança contínua, onde a estratégia geral seja desmembrada em pequenas etapas, cada uma das quais produzirá valor demonstrável;
  • Envolva os fornecedores e suas subcontratadas, para resolver quaisquer questões potenciais antes que elas se tornem obstáculos.

Confira aqui a parte 2

Artigo Original 

 

David Akka - CEO Magic Software UK

David Akka – CEO Magic Software UK

 

Novo Comentário