Born in the cloud

Há agora um novo ambiente em que aplicações de negócios podem ser desenvolvidas, implantadas e mantidas.

Conforme o cloud computing cresce em sofisticação, crescem as exigências dos negócios sobre ele. Atualmente, muitos não pretendem utilizá-lo simplesmente para acessar aplicações software-as-a-service (SaaS) escritos por outra empresa. Eles querem utilizar a nuvem como um ambiente para criação e implantação de suas próprias aplicações.

Essa demanda levou ao surgimento do que é  conhecido como soluções de platform-as-a-service (ou PAAS), uma forma de cloud computing que fornece um ambiente de desenvolvimento para criar aplicações e um ambiente de execução para entregá-los.

É um conceito emocionante que promete prazos rápidos de entrega de aplicações e a  possibilidade de evitar os pesados custos iniciais, de acordo com John Rymer, analista da pesquisa de mercado TI da empresa Forrester Research. O problema, diz ele, é este: “O termo ‘PAAS’ descreve várias abordagens diferentes, cada qual com um determinado ‘sweet spot’ entre cenários de aplicações.” Em pesquisa recente, ele e seus colegas encontraram 20 produtos disponíveis atualmente, abordando uma série de demandas dos clientes.

Destes, talvez o mais conhecido seja a plataforma Force.com da Salesforce.com, líder do mercado SaaS. Esta permite aos  desenvolvedores construir e implantar aplicações utilizando ferramentas on-demand próprias da Salesforce.com e ambiente de desenvolvimento colaborativo.

Mas para alguns desenvolvedores de software, esta abordagem tem uma desvantagem característica: os aplicativos criados desta forma são amarrados à plataforma Force.com, sem qualquer forma facilitada de transferí-los para outra localização na nuvem.

Por esta razão, muitos preferem uma abordagem que lhes ofereça a oportunidade de construir e implantar aplicações que que tenham uma visão mais ampla da cloud computing, ou, em outras palavras,  aplicações onde não importa se serão implantadas em ambiente cliente servidor ou web; on-premise ou on-demand; como um pacote de aplicações ou solução baseada em serviços; ou em um formato local ou global.

Isto restringe consideravelmente o campo de produtos disponíveis. Um produto que visa atender a estas demandas é o uniPaaS da Magic Software, uma plataforma de aplicações Rich Internet Application (RIA) e SaaS que permite que fornecedores independentes de software (ISVs) e arquitetos de sistemas corporativos desenvolvam soluções que abrangem toda a gama de formatos de entrega na nuvem e fora da nuvem.

O uniPaaS oferece aos desenvolvedores três principais vantagens em relação a muitas plataformas de aplicações, dizem os executivos da Magic Software.

Primeiro, o uniPaaS fornece um ambiente final para o desenvolvimento de software, onde os desenvolvedores não precisam se preocupar com a codificação do software para a interface do usuário, servidor ou camadas de comunicações intermediárias – tudo é coberto pelo mesmo código base.

Segundo, devido a plataforma uniPaaS ser baseada em um motor de metadados, os desenvolvedores tiram partido de uma biblioteca pré-escrita de blocos de código  para montar suas aplicações, tornando-se muito fácil para especialistas não técnicos, tais como analistas de negócios e equipe de TI, trabalhar em conjunto em projetos de desenvolvimento de software.

Finalmente, o uniPaaS permite às empresas criar aplicações que podem rodar em múltiplos modos de entrega. Isto significa que desenvolvedores podem evoluir seus portfólios de aplicações de uma arquitetura cliente-servidor para uma solução RIA ou SaaS, conforme a situação exigir, sem perder uma única linha de código.

Esta flexibilidade torna o uniPaaS uma boa escolha para ISVs que querem começar a oferecer aos clientes as aplicações cliente-servidor existentes com um novo modelo SaaS baseado em assinatura. Aumentar a demanda de clientes por  SaaS já convenceu a maioria dos desenvolvedores de software a dar este passo, mas os custos consideráveis de migração envolvidos na portabilidade de uma plataforma para outra tem dissuadido muitos ISVs de médio porte. uniPaaS dá aos ISVs a vantagem de construir um único produto que pode ser implantado com os atuais clientes on-premise, bem como novos clientes SaaS, utilizando o mesmo código base, mas exigindo apenas único esforço de desenvolvimento e manutenção. Dessa forma, eles podem ganhar uma posição no mercado SaaS, enquanto mantém negócios existentes  no modelo cliente / servidor.

Reset IT
Um suplemento independente produzido por Lyonsdown Media Group

Um comentário

  1. Recentemente minha empresa decidiu embarcar nessa onda de cloud computing, e contratou os serviços da SimpleWeb, e não podíamos estar mais satisfeitos. Reduzimos em cerca de 50% nossos custos em datacenter e servidores, e ganhamos em performance e escalabilidade. É possível inclusive aumentar os recursos dos servidores em períodos críticos de pico de uso, como por exemplo quando rodamos a folha de pagamento em nosso ERP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.