Bem-vindo ao futuro da pesquisa móvel – com Siri, Yahoo e Summly?

Agora que a poeira está baixando a partir da recente compra feita pelo Yahoo do aplicativo agregador de notícias Summly, o cenário final está ficando mais claro: Marissa Mayer, CEO do Yahoo, está fazendo uma grande jogada sobre o futuro da pesquisa, e parece ser bem diferente do Google. Na verdade, parece basear-se na próxima onda de processamento de linguagem natural do SRI, os criadores do Siri da Apple.

Vamos ser mais claros sobre algumas coisas: Marissa Mayer conhece muito sobre pesquisa, tendo sido anteriormente VP na Google em Produtos de Pesquisa e Experiência do Usuário antes de se tornar vice-presidente de Locais, Mapas e Serviços de Localização. Em suma, estas são provavelmente as partes do Google que o usuário comum mais interage, e em particular, as áreas onde a lealdade à marca tem sido mais forte.

Mobilesearch-300x300

Aparentemente a compra de Summly não faz muito sentido. Summly é executado em Processamento de Linguagem Natural, o que significa que ele varre artigos para entender o seu conteúdo, a fim de fazer o seu truque de resumi-los; Mas por si só, esta tecnologia não se desenvolveu bem. Além disso, o app não parece ter muitos usuários felizes (ou, na verdade, nenhum usuário: os números sugerem que uma notícia foi lida por download, por dia, entre novembro e março), dado o seu um milhão de downloads, implicando ou que ele foi baixado por robôs, ou que o aplicativo não é muito útil.

Ele também não tem muita receita e a equipe nem sequer construiu o aplicativo; eles terceirizaram para a Somo, uma agência de marketing. Na verdade, tem sido sugerido que a compra era simplesmente uma maneira de obter o lado bom de um investidor poderoso, tendo um decepcionante startup à um pouso suave, ou uma maneira do Yahoo conquistar atenção e cobertura de mídia.

A cena fica mais clara quando consideramos onde Summly conseguiu aquele pedaço de processamento de linguagem natural: foi licenciado pela SRI International, uma organização nascida pela necessidade da Guerra Fria para as novas tecnologias e que entrou em processamento de linguagem natural para ajudar a CIA a escolher as peças mais importantes de documentos soviéticos. Mais recentemente, a SRI International criou um aplicativo de assistente pessoal: SIRI.

Ainda mais recentemente, parece que o Yahoo fechou um acordo com a SRI International para licenciar algumas de suas tecnologias, e a aquisição de Summly fazia parte desse negócio.

Uma característica interessante nesta história é que o aplicativo Summly parece ter sido um golpe publicitário com apoio de celebridades e de publicidade para um aplicativo que não era na verdade amplamente utilizado. Como a consumerização torna-se cada vez mais importante na área de TI, especialmente em mobilidade, é surpreendente que os profissionais apoiadores do experimento Summly iriam se concentrar na criação de uma marca baseada em personalidade para ajudar a promover um eventual produto.

Certamente não prejudica as tentativas do Yahoo, de parecer uma empresa mais jovem e dinâmica também.

Então, por que eu digo que esta compra é uma jogada para o futuro da pesquisa? Yahoo não é capaz de competir com o Google em seus próprios termos: com os nossos períodos curtos de atenção e cada vez maior sobrecarga de informações, vamos utilizar a ferramenta que sabemos que funciona melhor, e não é por acaso que, quando queremos saber algo, nós procuramos no Google.

Marissa Mayer vai saber muito bem quão eficaz a ferramenta de busca do Google é, então ao invés de tentar reformular o Google (especialmente considerando que a busca do Yahoo atualmente roda em Bing, da Microsoft), faz sentido para o Yahoo contornar isso e tomar um caminho de tecnologia completamente diferente. Ela está transformando o Yahoo em uma empresa de telefonia móvel, e tem a intenção de dominar o mercado em pesquisa móvel.

Google roda no BackRub, uma tecnologia muito inteligente que lhe permite decidir a utilidade de uma página através da análise de sua popularidade e com que frequência tem sido referenciada.

Esta tecnologia está no centro de pesquisa do Google e tem sido um fator chave para o seu sucesso. Agora, parece que o Yahoo está indo por um caminho muito diferente, de fornecer busca através do resumo do conteúdo das páginas.

O último desafio que enfrenta o Yahoo neste campo é fazer a pesquisa mais útil do que o Google, e para fazer isso ele precisa ser capaz de levar a pesquisa de linguagem natural para o próximo nível.

Conteúdo é fácil, o verdadeiro valor para o usuário apressado em uma tela pequena está no contexto.

É por isso que dizem que este é o futuro da pesquisa e, em particular, pesquisa no smartphone.

No desktop, temos um espaço maior de tela para procurar os resultados, banda larga para usar recursos como visualização da página do Google, e, geralmente, estamos sentados confortavelmente quando o fazemos.

No smartphone, o quadro é diferente: nós usamos a navegação móvel porque precisamos de informações agora, onde estamos, e geralmente nós nos preocupamos com a nossa tarifa de dados ou a nossa velocidade de dados.

Temos também uma tela pequena, que não só torna a navegação em uma experiência dolorosa, mas também torna mais difícil para validar que tenhamos o resultado correto.

Portanto, ser capaz de entender o que o motor de busca está vendo, o que você está procurando e apresentando-lhe, seria realmente  um aplicação móvel matadora.

Eu escrevi recentemente sobre o modelo de negócios da Google fazendo todos nós usarmos as ferramentas do Google, e novamente sobre a Samsung tentando reduzir sua dependência do Google através do desenvolvimento de seu celular Tizen OS.

Desde então, rumores surgiram de uma maior integração entre Yahoo e Apple (outra empresa tentando e lutando para reduzir a sua utilização dos serviços do Google, como o Maps).

Claro que informações do Yahoo já são alimentadas em alguns aplicativos iOS, incluindo o próprio Siri.

O uso atual do Bing pelo Yahoo para sustentar seu motor de busca faz com que pareça improvável, mas e se o Yahoo for capaz de criar um motor de busca com reconhecimento de contexto que entende o que você está procurando? Então nós realmente estaremos vivendo num futuro de ficção científica.

David Akka - CEO Magic Software UK

David Akka – CEO Magic Software UK

English and Original Version

Novo Comentário