As maiores falhas de TI em 2017

O ano de 2017 – assim como todos os outros – foi cheio de situações desastrosas no mundo dos sistemas de informação, o que demonstra o quanto somos dependentes das tecnologias de dados.

Este ano viu-se um excessivo número de colapsos de TI envolvendo falhas da computação que encalharam aviões, adulteraram o mercado de ações, arruinaram planos de viagem e resultaram em cartões de crédito roubados. Também foram identificadas falhas que também levaram a situações de risco de vida pela interrupção de serviços de Saúde e de Emergências.

Elaboramos aqui uma recapitulação dos maiores desastres de TI do ano, para nos lembrar o quanto confiamos e quanto dependemos de sistemas de dados.

Atrasos nos vôos e passageiros estressados

A companhia aérea Delta, a segunda maior companhia aérea dos EUA, cancelou 150 vôos nos EUA em 29 de janeiro de 2017 devido a uma interrupção dos seus sistemas. Isso ocorreu depois que a companhia já havia cancelado mais de 2 mil vôos ao longo de três dias após uma avaria do computador central em agosto do ano anterior, de acordo com reportagem da Associated Press.

Na British Airways, sérios problemas com seus sistemas de TI no final do mês de maio levaram milhares de passageiros a ter seus planos de viagem interrompidos, com todos os vôos de Heathrow e Gatwick cancelados.

Também no Metrô de Melbourne, o centro de controle falhou. Em 14 de julho as telas dos controladores de trens ficaram em branco, deixando-os sem saber onde ir porque ninguém conhecia sua localização. Os trens pararam em plataformas ou entre as estações e ficaram assim por mais de uma hora, enquanto a equipe do centro nervoso do Metrô correu para identificar o problema e recuperar o sistema. Dezenas de milhares de passageiros foram afetados.

Queda do mercado de ações

Os preços das ações das principais empresas de tecnologia pareciam estar fora dos gráficos na véspera do feriado de 4 de julho, resultado de uma falha de dados do mercado causada por um erro humano. Alguns sites relataram incorretamente que a Amazon (AMZN) havia caído 87%, a Apple (AAPL) com uma queda de 14%, enquanto que Microsoft (MSFT) havia aumentado 79% no final do dia 3 de julho.

Se os dados fossem verdadeiros, a queda registrada de 87% no estoque da Amazon teria varrido quase US$ 400 bilhões do capital de mercado da empresa. O NASDAQ explicou que os dados que foram enviados faziam parte de “procedimentos normais de teste noturno”.

Sequestro de dados em serviços de Saúde

Em 12 de maio deste ano, uma variedade de ransomware chamada WannaCry se espalhou por todo o mundo, atingindo centenas de milhares de alvos, incluindo serviços públicos e grandes corporações. O Ransomware atingiu os hospitais e equipamentos do National Health Service no Reino Unido, atrasando procedimentos médicos que sustentam a vida e causando prejuízos para muitos pacientes britânicos.

No Brasil, um ataque do ransomware Petya afetou os computadores do Hospital do Câncer e a Santa Casa de Barretos, no estado de São Paulo.

Atrasos nos serviços de Emergência

Falhas de computadores também interferiram nos tempos de resposta de emergências do Condado de Andersen na Carolina do Sul, EUA. As telas ficaram congeladas enquanto os operadores digitavam informações para serem retransmitidas para paramédicos, bombeiros e demais funcionários. O que era digitado não aparecia nas telas, as chamadas eram reencaminhadas para outros operadores que estavam com o sistema funcionando ou a informação era escrita à mão em um pedaço de papel.

As falhas também tornaram quase impossível que os operadores encontrassem endereços ou rastreassem as ambulâncias.

Roubo de dados pessoais no datacenter

Em fevereiro de 2017, a Cloudflare, uma empresa de infraestrutura de Internet, divulgou que uma falha em sua plataforma causou o vazamento de dados potencialmente sensíveis de clientes, que foram armazenados em cache pelos motores de busca. A empresa oferece serviços de segurança e de desempenho para aproximadamente seis milhões de sites de clientes, incluindo pesos pesados como Fitbit e OKCupid. O problema foi descoberto em 17 de fevereiro, mas o vazamento de dados poderia ter começado já em 22 de setembro de 2016.

As boas notícias

Se as falhas aconteceram, é também verdade que no mundo de TI também há muita notícia boa. No caso, a existência de soluções que ajudam a monitorar o desempenho do sistema e garantir que tais desastres sejam evitados ou mitigados.

As plataformas de integração, por exemplo, reúnem todos os dados necessários para prever, com um elevado nível de precisão, a quantidade de poder de processamento necessário para gerenciar o maior volume de transações e garantir que a capacidade necessária esteja disponível com sistemas de backup internos para confiabilidade 24/7.

Ao permitir que os sistemas compartilhem dados e se atualizem automaticamente, estas plataformas de integração simplificam as operações de TI e reduzem o risco de erros manuais de entrada de dados. Uma plataforma robusta baseada em processos pode usar conectores certificados para conectar sistemas de todos os principais fornecedores do mercado.

Com mais e mais organizações que dependem de dados corretamente gerenciados, a governança de TI tem sido uma prioridade para as empresas. Em 2018 também. Neste cenário, as plataformas de integração podem fazer parte de maneira eficiente das políticas de segurança para evitar que os desastres envolvendo dados críticos prejudiquem os usuários e, às vezes, possam até colocar em perigo a vida das pessoas.

 

Stephan Romeder – Managing Director – Magic Software Europe

 

Novo Comentário