Em tempos de crise devemos ser conservadores! Será?!

A troca de experiência com os parceiros é sempre muito gratificante, pois traz os mais diferenciados pontos de vista sobre o mesmo assunto. Em uma recente conversa que tive, foi apresentada a preocupação de considerar nos projetos o custo da licença do iBOLT, já que estamos em época de crise e os clientes primam pelo conservadorismo sobre seus investimentos.
Claro que a preocupação tem relevância, considerando que mesmo representando em média, apenas 8% do custo total do projeto o cliente sempre tenta economizar o máximo que pode, mas existem outros fatores que devem ser considerados. Como temos a nossa disposição uma ferramenta 100% gráfica, livre de código e muito intuitiva é plausível que consideremos uma redução de pelo menos metade das horas que serão empregadas na fase de integração do projeto que esteja considerando uma integração .TXT, por exemplo. Então, podemos dar como exemplo um escopo que atingiu uma previsão de 100 horas de integração caindo para 50 horas.
Neste momento você já deve ter feito algumas contas de cabeça e chegado a conclusão que em um escopo pequeno como este, estaria trocando 6 por ½ dúzia em relação ao custo apresentado, correto? Felizmente digo que você errou!
Considerando benefícios como manter sobre controle a quantidade de horas previstas, entregar mais projetos com os mesmos recursos, apresentar uma solução diferenciada em relação aos seus concorrentes e aumentar sua margem de lucro na mesma proporção da produtividade de seus consultores, posso lhe assegurar que além de ofertar uma solução diferenciada ao cliente, que vai reconhecer o alto nível de maturidade tecnológica no conjunto da oferta, o parceiro não perderá mais o precioso sono, torcendo para a fase de integração não dar MUITO prejuízo.
Trata-se de um posicionamento estratégico que tanto vai proteger os investimentos de quem compra uma solução duradoura, quanto garantir ao parceiro que seu lucro permanecerá linear em todas as fases de implantação, até a entrega.
Senhores, em tempos de crise, arregacem as mangas e inovem, pois esperar a tempestade passar, não é opção!

André Renato Ramos – Gerente de Negócios e Canais – Magic Software Brasil

AndreA troca de experiência com os parceiros de negócios é sempre muito gratificante, pois traz os mais diferenciados pontos de vista sobre o mesmo assunto. Em uma recente conversa que tive, foi apresentada a preocupação de considerar nos projetos o custo da licença do iBOLT, já que estamos em época de crise e os clientes primam pelo conservadorismo sobre seus investimentos.

Claro que a preocupação tem relevância, considerando que mesmo representando em média, apenas 8% do custo total do projeto o cliente sempre tenta economizar o máximo que pode, mas existem outros fatores que devem ser considerados. Como temos a nossa disposição uma ferramenta 100% gráfica, livre de código e muito intuitiva é plausível que consideremos uma redução de pelo menos metade das horas que serão empregadas na fase de integração do projeto que esteja considerando uma integração através da troca de arquivos texto (.TXT), por exemplo. Então, podemos dar como exemplo um escopo que atingiu uma previsão de 100 horas de integração caindo para 50 horas.

Neste momento você já deve ter feito algumas contas de cabeça e chegado a conclusão que em um escopo pequeno como este, estaria trocando 6 por ½ dúzia em relação ao custo apresentado, correto? Felizmente digo que você errou!

Considerando benefícios como manter sobre controle a quantidade de horas previstas, entregar mais projetos com os mesmos recursos, apresentar uma solução diferenciada em relação aos seus concorrentes e aumentar sua margem de lucro na mesma proporção da produtividade de seus consultores, posso lhe assegurar que além de ofertar uma solução diferenciada ao cliente, que vai reconhecer o alto nível de maturidade tecnológica no conjunto da oferta, o parceiro não perderá mais o precioso sono, torcendo para a fase de integração não dar MUITO prejuízo.

Trata-se de um posicionamento estratégico que tanto vai proteger os investimentos de quem compra uma solução duradoura, quanto garantir ao parceiro que seu lucro permanecerá linear em todas as fases de implantação, até a entrega.

Senhores, em tempos de crise, arregacem as mangas e inovem, pois esperar a tempestade passar, não é opção!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.