Considerações para a construção de aplicações móveis corporativas em 2010

David Akka

David Akka – CEO – Magic Software UK

Os empregados são os novos Consumidores

Com o crescimento das capacidades tecnológicas dos dispositivos móveis de líderes de mercado como Apple, Microsoft, RIM e Google nós estamos vendo agora os dispositivos móveis e suas aplicações tornando-se relevantes para todo tipo de atividade de negócios. A diferença entre as exigências do consumidor e do usuário corporativo é a indefinição e condução do avanço de aplicações móveis para dentro do espaço de negócios.

Uma das surpresas do setor em 2009 foi testemunhar o iPhone tornar-se tão popular nas empresas quanto no espaço do consumidor. De acordo com Timothy Cook,  Chief Operating Officer da Apple, o iPhone está agora sendo entregue ou avaliado em mais de 50 por cento das 100 empresas da Fortune nos E.U.A. Com a atualização do Microsoft Windows Mobile 7, iPhone, RIM e outros, nós podemos esperar a camada de convergência empresa/consumidor se intensificar ainda mais. Ao  construir e implantar uma aplicação móvel corporativa, é importante lembrar que em muitos aspectos, os desafios são idênticos àqueles que já existem para empresas e vendedores de software que buscam oferecer Rich Internet Applications (RIA) e aplicações na Nuvem, estilo SaaS. Estes desafios decorrem do fato de que qualquer aplicação que combine funcionalidade ‘rich’ e ‘mobilidade’ na internet demanda um único esforço de desenvolvimento para hospedar o poder computacional e funcional das tradicionais aplicações desktop através da web em oposição aos servidores locais.

Adicionalmente a estes desafios, no entanto, estão uma série de novos desafios nascidos do fato de que dispositivos móveis demandam aplicações de software compactas que operam com baixo tamanho de banda. Isto coloca mais demandas aos fornecedores mobile para produzir aplicações que sejam simples, leves e ainda funcionais o suficiente para os trabalhadores completarem suas tarefas essenciais de negócios sem ter que recorrer ao seu desktop ou laptop.

Então, quais fatores as empresas e fornecedores de software deveriam considerar quando buscam construir e entregar aplicações móveis corporativas neste ano? E como podem eles garantir que sua aplicação móvel será levada ao mercado em tempo hábil e de maneira rentável?

Simplifique seu Esforço de Desenvolvimento e Implantação

Dispositivos móveis implicam todo um novo esforço de desenvolvimento e canal de entrega que os provedores de software e empresas primeiro precisam levar em consideração.

Aplicações Móveis funcionando com a tecnologia Rich Internet Application (RIA) envolvem duas camadas claras – uma camada Client (cuidando da apresentação, lógica de interação e algumas lógicas de negócios), e uma camada Server (cuidando da maior parte das regras de negócios, dados e integração backend). Adicionalmente, há também uma camada Session (a camada de integração entre o Client e o Server que requer habilidades de programação do sistema).

O esforço de desenvolvimento de uma aplicação móvel típica requer a junção e o gerenciamento de um número de diferentes equipes para trabalhar nos diferentes lados da aplicação. Quando o desenvolvimento envolve a junção e coordenação de equipes separadas de programadores e linguagens de programação separadas, há simplesmente uma menor chance do resultado final ser entregue de forma rentável e rápida – sem mencionar o fato de que se torna mais desafiante entregar uma aplicação que atenda totalmente os padrões e as expectativas da empresa.

Enquanto muitas empresas e fornecedores de software estão utilizando linguagens de programação puras como o Flex e C# para criar aplicações móveis, há também plataformas de aplicações que podem simplificar o esforço no desenvolvimento de aplicações móveis. Plataformas de aplicações orientadas a metadados, como o uniPaaS da Magic Software, utilizam motores de lógica de negócios pré-configurados e pré-compilados que permitem que empresas e desenvolvedores de software evitem a maior parte do código pesado e construam aplicações móveis com uma única ferramenta, do início ao fim, de Cliente a Servidor utilizando um único paradigma.

No clima econômico atual, é uma grande vantagem para qualquer empresa ou negócio de software ser capaz de manter o desenvolvimento móvel e o esforço de desenvolvimento tão simples quanto o esforço de desenvolvimento desktop Cliente/Servidor. Isso ajuda a garantir uma boa rentabilidade e uma aplicação móvel de fácil manutenção.

Integre com Sistemas Back-End

Construir um front-end para a maior parte das aplicações é freqüentemente a parte mais simples do processo. O desafio é, antes, conectar de forma efetiva e eficaz, transações front-end a sistemas back-end.

Por exemplo, uma empresa típica no setor de manufatura ou distribuição pode optar por utilizar aplicativos móveis para ajudar a equipe a receber e processar rapidamente os pedidos de disponibilidade de peças.

Entretanto, os passos “entre” exigem uma integração automática e em tempo real com aplicações variadas e sistemas back-end.

O pedido da peça tem que ser validado com o sistema ERP da empresa para determinar a disponibilidade de estoque. Então uma expedição deve ser feita e uma fatura emitida a partir do sistema back-office. Os detalhes do serviço ao cliente também devem ser atualizados no sistema de CRM da empresa, que em seguida deve ser sincronizado com o sistema ERP. Só depois de tudo isso,  um relatório preciso da remessa pode ser enviado ao cliente. Para garantir que estes processos e sistemas interajam tranqüilamente e rapidamente com o front-end da aplicação móvel, os fornecedores dos sistemas corporativo e móvel têm tradicionalmente integrado manualmente suas aplicações móveis e outras aplicações corporativas utilizando desenvolvedores qualificados e programação como Java, TCL, Pyton e outras. Uma alternativa é o uso de ferramentas de integração baseadas em metadados que irão automatizar e sincronizar uma aplicação móvel com diversas outras aplicações dentro da empresa utilizando um único conjunto de conhecimentos que pré-programa muitas das tarefas comuns e repetitivas do desenvolvimento que, de outra forma, exigem codificação manual.

Perceba as Limitações – e o Potencial das Aplicações Móveis

Deve ser lembrado que as aplicações móveis corporativas não têm o escopo para substituir totalmente os pesados sistemas back-office, um para um. Aplicações corporativas de back-office custam milhões para se desenvolver, são de longe mais poderosas e as empresas gastam muito para treinar a equipe para usar estas aplicações. “Se uma tarefa não é crítica no tempo, eles provavelmente não irão fazê-la no dispositivo móvel”, de acordo com Kevin Dulaney, um analista do Gartner Inc. “Se eles podem esperar até chegar em casa, eles irão esperar”.

Aplicações móveis deveriam, portanto, ser consideradas como ferramentas para habilitar as equipes a completar tarefas. Isso também significa que as aplicações móveis precisam ser tão simples quanto possível.

Usuários corporativos em movimento não terão a paciência ou a concentração para trabalhar através de diversas telas e comandos para conseguir fazer um trabalho. Eles irão simplesmente deixá-lo até que estejam em casa ou voltem para o escritório.

Uma maior produtividade nos negócios só é obtida com uma estratégia móvel inteligente que leva a psicologia e as práticas do trabalho móvel em conta.

Não economize na prototipagem

A prototipagem de aplicações é o método experimentado e testado para garantir que as demandas dos usuários sejam atendidas. Entretanto, como os orçamentos estão mais apertados, as empresas tendem a achar mais fácil cortar a prototipagem e QA a fim de acelerar o desenvolvimento e liberar as aplicações – especialmente se o mercado está evoluindo rapidamente.

No mercado móvel altamente dinâmico e em rápida mudança, se uma aplicação não está de acordo com os padrões de performance e consistência que os usuários estão acostumados em suas aplicações no desktop ou laptop, eles rapidamente ficarão desiludidos. Uma vez que a coisa está feita, será mais difícil para empresas e fornecedores de software tê-los novamente como usuários, pois eles irão rapidamente encontrar e permanecer com uma aplicação móvel comprovadamente mais intuitiva.

É, portanto, importante que os fornecedores de aplicativos e desenvolvedores invistam o esforço para ter uma aplicação móvel correta logo na primeira vez. Isso exige prototipagem adequada e feedback de integração entre usuários corporativos e grupos de foco. Um esforço  bem sucedido de prototipagem exige ciclos de desenvolvimento rápidos e interativos para cobrir irregularidades na aplicação móvel antes que ela seja totalmente implantada – após isso as falhas tornam-se muito mais caras para consertar.

Alcançar tudo isso significa obter mais produtividade do processo de desenvolvimento e dos recursos humanos. Plataformas de aplicações que utilizam lógica de aplicações de negócios pré-configuradas e um único conjunto de habilidades

para os lados Client e Server da aplicação, podem dar uma contribuição significativa para garantir uma prototipagem rápida e uma maior qualidade global do aplicativo.

Garanta uma experiência na internet comparável às Aplicações Desktop

O tamanho de banda de uma aplicação móvel é muito menor do que a banda que nós estamos acostumados a esperar de aplicações desktop conectadas via cabo ou sem fio à internet. Para garantir que a experiência de navegação de uma aplicação móvel esteja no mesmo nível (ou próximo ao nível) de uma experiência desktop, os desenvolvedores de aplicativos e fornecedores de software devem considerar projetar suas aplicações para rodar em um Client dedicado ao invés de um navegador genérico.

Isso utiliza consideravelmente menos banda e permite que as aplicações móveis sustentem um desempenho superior.

Conclusão: Esteja preparado para mudanças

Aplicações móveis corporativas representam um novo ambiente tecnológico para desenvolvedores e usuários. Sendo assim, os fornecedores de software e os desenvolvedores de TI corporativos devem estar preparados para mudar e adaptar suas aplicações móveis à medida que aprendem mais sobre seus clientes e os hábitos do usuários.

O tempo de resposta ao mercado (time to market) é obviamente um fator chave no cenário atual. E, portanto, justifica a utilização de ferramentas que podem simplificar e agilizar o processo de entrega das aplicações.

Se houvesse uma única certeza no mercado de dispositivos móveis seria a de que, assim como em muitas indústrias, ele procura primeiramente, transmitir uma vantagem significativa e não-reversível para o negócio de uma maneira inteligente o suficiente para atingir seu objetivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.