10 anos de Integração de Sistemas

Há exatos 10 anos ao ver o crescimento do uso de pacotes de software em detrimento do desenvolvimento de projetos específicos, iniciamos um mergulho mais profissional no tema integração. Obviamente, por estarmos envolvidos no mercado de desenvolvimento de sistemas, isso nos preocupava, pois diminuía a demanda por desenvolvimento de projetos específicos e aumentava a necessidade de integração dos pacotes que invadiam o mercado.

O maior obstáculo foi sem dúvida a fase de evangelização do mercado, onde tínhamos que convencer as equipes de TI que integração em tempo real era possível e viável economicamente para pequenas e médias empresas ou projetos departamentais das grandes, pois isso era uma realidade restrita apenas a grandes projetos corporativos.

Outro desafio era convencer aos profissionais das áreas de negócio que a restrição imposta por TI estava ultrapassada, poderia ser diferente. Estavam acostumados a ver integração apenas como troca de arquivos e processamento apenas de madrugada. Isso abria um mundo de oportunidades.

8967497-system-integration-concept-with-puzzle-300x277

Passada essa fase de evangelização do mercado veio a onda do conceito de SOA, o estabelecimento do Webservice como padrão, a interseção com o conceito de BPM (Business Process Management), a valorização das APIs, enfim, diversas etapas até os dias de hoje, onde a demanda por integração é quase uma constante em todos os projetos e é aceita com naturalidade.

Cloud Computing e Mobilidade aumentam demanda por Integração

Graças aos fortes movimentos atuais de adoção de Cloud Computing e mobilidade, que dominam a pauta de TI, a integração se tornou não só uma constante, mas um ponto crítico de sucesso desses projetos.

Os movimentos de Social Media e o crescimento do e-Commerce em menor escala também contribuem para aumentar essa demanda.

Em evento ocorrido em agosto de 2013 em São Paulo, o Gartner divulgou estudo onde prevê que até 2016 as médias e grandes empresas aumentarão investimentos em integração em mais de 33% se comparadas com 2013. Este crescimento, segundo os analistas do Gartner, fará com que os investimentos em Integração ultrapassem os investimentos na aquisição de novas soluções. É o sinal que a tendência do que vimos há 10 anos, de fato se concretizou.

Se enxergarmos os pacotes de software como Objetos, estamos ganhando produtividade no geral com a reutilização e tendo na integração, a amálgama ou liga que os une.

A visão de processos

Falar em integrar processos em vez de integrar sistemas pode parecer apenas um nome mais bonito, mas há uma diferença muito grande nestas duas abordagens.

iStock_000017702529XXXSmall

Ao dizer que estamos integrando sistemas, estamos apenas levando informações de um sistema A para o sistema B, mas ao dizer que estamos integrando e/ou automatizando processos, buscamos entender o cenário de negócios que a integração está inserida e buscamos aproveitar a oportunidade do projeto para maximizar os benefícios que a integração poderá trazer. Temperar a integração com automação de alguns processos pode trazer ganhos significativos ao negócio e as vezes tornar viável o investimento.

A característica de orquestração dos barramentos de integração, permite a criação de workflows, de roteamento de mensagens, enfim é exatamente aqui que a integração faz interseção com o conceito de BPM e permite em certa escala um gerenciamento do processo de negócio automatizado.

Valorização da arquitetura de integração

A integração de processos e sistemas, para ser valorizada, necessita de uma visão abrangente por parte dos decisores, de longo prazo e aprofundamento no tema. É um grande desafio, pois há uma grande dificuldade em valorizar algo que, quando funciona perfeitamente, ninguém lembra que existe.

Este é o desafio que está nas mãos dos fornecedores e dos CIOs. A integração não tem funcionalidades previas para se apresentar, realizar uma demo a usuários finais. Isso nos impõe um forte desafio de abstração, visão de arquitetura de sistemas e coragem para decidir sobre assuntos de longo prazo.

Como munir os CIOs de argumentos para que convençam o CFO ou CEO sobre um investimento em algo que não se vê e não se valoriza?

Buscar descobrir o custo da falta de solução é um dos caminhos, apesar da dificuldade em como converter cenários em cifras.

O primeiro projeto muitas vezes irá pagar pela absorção de tecnologia e metodologias e pode acabar não sendo suficiente para justificar o investimento. Mas ao lidar com decisores com visão mais abrangente e de longo prazo, os benefícios são facilmente percebidos.

Fantasma da improvisação

Integração é um prato cheio para quem gosta de dar um jeitinho e improvisar. Não importa a ferramenta que você conheça sempre há uma forma de usá-la em uma integração. Ainda vemos integrações feitas por arquivos textos, através de triggers de banco de dados, ferramentas de ETL, com invasão de código em uma das partes para chamar a API da outra, enfim uma infinidade de formas que chegam a dar calafrios em quem se especializou na área e consegue medir as consequências a longo prazo. É como um médico se sente ao ver pessoas se automedicando através de consulta na internet, deixando de lado os vários anos de estudo e especialização que o levaram ao título de Doutor.

Na maioria das vezes são caminhos tomados para se fazer “economias burras” e que mais cedo ou mais tarde vão exigir que a arquitetura da integração seja revista e seja usada um barramento de integração com capacidades de orquestração, gerenciamento e monitoramento, que dará muito mais qualidade e tranquilidade ao dia a dia da operação do projeto.

Os profissionais de TI precisam buscar entender que há tecnologias especificas para a finalidade de integração e não podemos ver tudo como desenvolvimento ou um problema de replicação de base de dados.

Federação de barramentos de integração

Na extremidade oposta da improvisação estão as empresas que já adotaram um barramento de integração e que se obrigam a não usar novos por já terem escolhido um, implicando em maiores custos e perda de agilidade.

Existem diversas situações onde o uso de novos barramentos com características especificas, se justificam, para que venham a facilitar e dar agilidade a uma integração especifica, o que leva a existência de comunicação entre barramentos, o que deve ser encarado com naturalidade.

Aqui, mais um estudo nos ajuda a entender esta tendência. O Gartner estima que, até 201, 50% dos projetos de integração possuirão barramentos federados, ou seja, terão mais de um barramento de integração trabalhando juntos.

iPaaS

Exercitando um pouco o futuro, levar o conceito de Software as a Service para a Plataforma de Integração é uma forte tendência já que muito do que vai ser integrado está na Nuvem. Levar a tecnologia de integração para a Nuvem fará também com que recursos sejam compartilhados o que possibilitará níveis de investimento mais baixos.

A grande maioria dos fornecedores de tecnologia já estão se movimentando para isso.

O Gartner estima que também até 2017  2/3 das integrações ocorrerão entre soluções na nuvem, ou seja, do lado de fora do firewall corporativo, o que reforça em muito o conceito de iPaaS (Plataforma de Integração como Serviço).

Internet das coisas

Além de tudo o que já citamos aqui, e saindo um pouco do mundo corporativo, o conceito de Internet das coisas, trará mais um mundo para a integração. Teremos que ligar nosso dispositivo móvel com nossa geladeira, fogão, banheira, cafeteira, carro, relógio e por ai vai.

O mundo está cada vez mais conectado e a tendência é que tudo venha com APIs, que possibilitem as mentes criativas a tornar isso tudo, um pouco mais divertido.

Rodney Antonio Repullo

Rodney Antonio Repullo – CEO Magic Software Brasil

Publicação Original

Novo Comentário